Suplementação para atletas

No congresso americano de medicina esportiva deste ano, Ronald Maughan apresentou as variáveis e problemas encontrados com suplementos contaminados com substâncias proibidas. Ele colocou que muitas vezes é interesse da indústria que coloca substâncias proibidas para que as pessoas tenham o resultado esperado e comprem mais suplementos; às vezes é falta de cuidado na produção, inadequada higiene dos equipamentos que produzem de manhã medicamentos e à tarde suplementos que acabam sendo contaminados com resíduos; há também as desculpas dos atletas que usam substâncias proibidas e dizem que não usaram e que o suplemento estava contaminado. De qualquer forma ele apresentou um estudo que fez com acetil glutamina, encontrou resultados muito bons no tocante ao desempenho, mas quando foi avaliar o suplemento não havia nada de acetil glutamina no mesmo, apenas cafeína.

Outro estudo interessante que ele apresentou mostrava que com concentração 10 vezes menor do que o permitido em termos de contaminação (0,00005%), os indivíduos já apresentaram traços na urina de nandrolona (Watson ET AL 2009). Isto é, de fato a contaminação mesmo que baixa pode levar ao resultado positivo para doping, mesmo que o produto atenda a contaminação mínima exigida pela legislação WADA.

Urinary nandrolone metabolite detection after ingestion of a nandrolone precursor. P Watson, C Judkins, E Houghton, C Russell, and RJ Maughan Med Sci Sports Exerc, Apr 2009; 41(4): 766-72.

Autor: Dr. Lancha Jr. - Instituto Vita

www.institutuvita.com.br